As plantas oferecem cura física e energética: siga sua intuição e seu coração

Foto: Divulgação

Os saberes ancestrais do Sagrado Feminino são muitos. Desde os tempos mais antigos, mulheres conhecem o poder das ervas, folhas, raízes, flores e tudo o que vem da natureza e cura muitos males. Esse ensinamento corre gerações e gerações e muito provavelmente uma mulher mais velha da sua família sabe aquele remedinho natural para alguma doença. Hoje vamos passear por este tema tão refrescante e herbal: as plantas medicinais.

As ervas foram associadas, ao longo dos séculos, a prática de magia. Muitas mulheres foram chamadas de bruxas ou feiticeiras e queimadas, boa parte delas simples camponesas, porém talentosas herbanárias, por receitar ervas, usar unguentos e vapores, confeccionar talismãs, poções e antídotos.

O poder da natureza e a manipulação das ervas sempre ameaçou poderes dominantes em várias eras, mas aqui trataremos da melhora da saúde, que sempre foi buscada nas ervas desde a antiguidade.

PASSEANDO PELA HISTÓRIA
A utilização de plantas medicinais, chamada hoje fitoterapia, é sem dúvida o método de medicação mais antigo da história da humanidade e seu estudo sistemático data de 5 mil anos, época dos sumérios.

Tal conhecimento surgiu da necessidade do homem de melhorar sua saúde, aumentar sua força e curar suas feridas.
Primitivos, camponeses, nobres medievais e tribos indígenas de todos os continentes utilizaram-se da dádiva sagrada e curadora da Mãe Terra.

O imperador chinês Shen-nung (3737-2697 ªC.) escreveu um livro chamado Pen-ts’ao, com mais de 300 preparados medicinais com ervas.

No Egito, por volta de 2.000 ªC., dois mil doutores praticavam a medicina das ervas, de acordo com um registro chamado Papiro Ebers.

Entre os gregos, o uso de ervas foi tão difundido que o próprio Aristóteles contava com mais de 300 espécies plantadas em seu jardim, de acordo com o filósofo grego Teofrasto.

DICAS DE OURO
Algumas informações importantíssimas:
– Chás são sempre mais indicados pra efeito mais rápido, principalmente no combate à cólicas.
– Temperos e tinturas são muito eficazes em tratamentos à longo prazo.
– Para enxaquecas e enjôos, a aromaterapia também tem um excelente resultado, utilize sempre óleos essenciais de boa qualidade.
– Banhos de Assentos devem ser feitos com água bem fervida e em bacia previamente esterilizada.
– Em todos os casos, busque sempre comprar ervas de qualidade, em fornecedor de confiança, com certificação da Anvisa, lembrando de verificar a data de validade e o aspecto delas (se estiverem muito esbranquiçadas, corre o risco de estarem mofadas, contendo fungos, que só irão prejudicar sua saúde). Não usem ervas com aspecto duvidoso, em altas dosagens e o mais importante, em caso de permanência dos sintomas, procure um médico.

ERVANÁRIO DA MULHER
Importante destacar que nesta coluna o assunto são os tratamentos físicos que as plantas nos oferece, mas existe também o aspecto energético em que cada uma atua. Mas nesse caso, recomendo que você consulte a sua intuição e seu coração. MUITO IMPORTANTE PESQUISAR AS CONTRAINDICAÇÕES DAS ERVAS.

ALECRIM: seu chá alivia cólicas menstruais e é benéfico para a libido. Na vaporização estimula a menstruação.
ARRUDA: usada na vaporização trata amenorreia (ausência de menstruação) e é analgésica.
ARTEMÍSIA: erva de poder para a mulher. Seu chá trata amenorreia, desequilíbrios hormonais, cólicas uterinas e sintomas da TPM. Também pode (e deve!) ser utilizada na vaporização do útero. É anti-cancerígena e anti-inflamatória. É a erva da Deusa Artemis e nos conecta com o feminino profundo, melhora nossa percepção espiritual e eleva a vibração. Tomar seu chá antes de dormir estimula sonhos e visões.
BABOSA: aplicar seu gel nas feridas de herpes.
BARBATIMÃO: trata infecções em geral, especialmente a urinária. Pode ser usada em chá ou em banho de assento. O banho é realizado com sua casca e além das infecções, trata candidíase e melhora o tônus vaginal.
CALÊNDULA: liberada para uso em chá, banho de assento ou vaporização. Trata a amenorreia, cólicas menstruais, hemorroidas e infecções vaginais.
CAMOMILA: outra plantinha amiga das mulheres, é boa contra corrimento, candidíase e herpes genital na forma de banho de assento. Seu chá alivia cólicas menstruais e durante a gravidez evita o aborto. Como diz Palmira Margarida, camomila na ppk é sempre bom.
CANELA: atua contra os ovários policísticos (tomar uma colher de chá em pó para um copo de água quente). Seu chá (feito com a casca/pau) ameniza cólicas menstruais.
CHÁ-VERDE: o extrato de chá verde diminui o volume e o peso de miomas uterinos.
CRAVO: o chá é benéfico para a libido.
DENTE-DE-LEÃO: seu chá auxilia no tratamento contra cistos no ovário e contra a candidíase. Seu banho de assento é bom contra infecção urinária.
FOLHA DE AMORA: o chá trata a amenorreia, cólicas menstruais, cistos no ovário, desequilíbrios hormonais e ameniza os sintomas da menopausa.
GENGIBRE: seu chá estimula a circulação, auxiliando no tratamento de miomas no útero. Também alivia cólicas menstruais e é bom para a libido. Alivia os enjoos do primeiro trimestre de gravidez.
HAMAMELIS: no banho de assento trata hemorroidas, tonifica os músculos uterinos após abortos espontâneos e do parto. Evite ingerir seu chá durante amamentação. Durante a menopausa regula transtornos circulatórios.
HIBISCO: seu chá trata a amenorreia (preparar com canela).
HORTELÃ: seu chá atua no tratamento contra ovário policístico, reduz os níveis de testosterona e trata o hirsutismo.
LAVANDA (ou ALFAZEMA): amorzinho da minha vida. Seu chá trata a amenorreia. O banho cicatriza as feridas da cesariana. O banho de assento após o parto auxilia na cicatrização da região.
MALVA: utilizar suas flores no banho de assento contra infecção urinária.
MANJERONA (não é manjericão): ingerir o chá para aliviar cólicas uterinas.
ORÉGANO: o chá alivia cólicas menstruais.
ROSA BRANCA: trata a menstruação intensa ou irregular, calores da menopausa, alterações de humor e suor excessivo. Cura traumas femininos profundos como abortos, abusos sexuais, depressão pós-parto, cesarianas e histerectomia.
SÁLVIA (salvia officinalis): Prestar atenção pois tem vários tipos da erva): seu chá trata a amenorreia, diminui os calorões da menopausa, alivia as cólicas menstruais, regula a menstruação e atua na regulação hormonal.
SALSAPARRILHA: o chá diminui os calorões da menopausa.
TANXAGEM: aumenta a imunidade e é boa contra candidíase, corrimentos, infecção urinária e inflamações vaginais, na forma de banho de assento. Usada na vaporização atua contra miomas no útero, vaginite, feridas no útero, cólicas, endometriose, problemas de bexiga e HPV. Também pode ser ingerida como chá. Ajuda a estancar hemorragias.
URTIGA: o chá auxilia no tratamento de miomas uterinos.
VALERIANA: ingerir o chá para aliviar dores causadas por miomas no útero. Regula as emoções na menopausa. É relaxante, portanto, útil em casos de estresse, insônia, nervosismo ou medo.

UTILIZAÇÃO E PREPARO DAS ERVAS
O primeiro passo para a utilização das ervas e plantas é sua correta preparação. A seguir, os métodos mais utilizados e seu preparo:

Infusão – ferver água e despejar sobre a erva, tampando em seguida a mistura, que deve descansar assim por 10 minutos. Na infusão usam-se folhas e flores. O chá medicinal deve ser filtrado em pano de algodão ou linho e consumido em horários sistemáticos. Após a preparação, dura aproximadamente 8 horas.

Decoção – é a ação de cozinhar a parte desejada – normalmente raízes, sementes, cascas ou caules – durante o período de 15 a 30 minutos.

Maceração – colocar de molho a erva – no caso, folhas e flores em água fria, vinho, álcool, conhaque, leite, óleo ou cachaça pelo período de 1 a 24 horas. Esse método mantém vitaminas e sais minerais.

Banho – cozinhar por 20 minutos entre 100 e 500 gr da erva em 10 litros de água.

Compressas – acrescentar a erva à água a ponto de entrar processo de fervura. Deixar ferver por alguns minutos e aplicá-la, quente e com parte de um tecido atoalhado. Para hemorragias, edemas, hematomas e ferimentos em geral, a compressa é aplicada fria.

Tintura – preparada com quaisquer partes da planta, com 30% de erva, 60% de álcool de cereais e 10% de água da chuva ou destilada. Misturar os ingredientes num vidro escuro e guardá-lo num local escuro por 20/30 dias (com folhas tenras pode ser usado após 8 dias). Filtrar antes do uso.

Unguento – cozinhar em banho-maria por 1 hora ou deixar sob o sol forte durante 4 horas a mistura de 10 partes de gordura vegetal (vaselina, manteiga de cacau, etc.) e 3 parte de sumo fresco da planta (basta triturá-la). Pode-se acrescentar cera de abelha.

Pomada – misturar e guardar em lugar fresco partes iguais de lanolina anidra, tintura de erva e vaselina.

Fonte: http://the-cauldron-of-the-goddess.blogspot.com

MENSAGEM DA SEMANA: Avalie seu jardim interior: quais são as plantas ou árvores que você nele cultiva? Conecte-se com suas reais intenções, com seu propósito de vida, encontre sua direção e positive suas afirmações.

 


Tânia Jeferson é jornalista profissional, curiosa sobre os enigmas do universo desde sempre, conectada com a natureza, interessada em cristais, elementais e principalmente na evolução do ser. Estuda o Sagrado Feminino, participa do Círculo de Aine e ministra oficinas e palestras sobre o universo do tema. Acompanhe no Instagram: @heyamistica